Quantcast

As evidências que sugerem a rachadinha de Carlos Bolsonaro

Dados bancários sigilosos detectam no gabinete do zero dois o mesmo modus operandi que se viu no de Flávio: funcionários-fantasmas e saques de salários em dinheiro vivo

As evidências que sugerem a rachadinha de Carlos Bolsonaro

Dados bancários sigilosos detectam no gabinete do zero dois o mesmo modus operandi que se viu no de Flávio: funcionários-fantasmas e saques de salários em dinheiro vivo

Quando as urnas fecharem neste domingo, o vereador Carlos Bolsonaro (Republicanos-RJ) deverá estar na lista dos reeleitos para uma das cadeiras do Palácio Pedro Ernesto.

Mais que isso, o filho “zero dois” de Jair Bolsonaro deverá ser um dos mais votados do Rio de Janeiro, segundo pesquisas feitas tanto por aliados quanto por opositores.

Há quatro anos, ele já liderou o ranking de eleitos para a Câmara de Vereadores com mais de 106 mil votos. Em 2020, sem pisar na rua para fazer campanha, os mais otimistas em seu entorno acreditam que ele poderá até dobrar sua última votação.

Com os esforços voltados para as redes sociais, por meio de postagens e vídeos, com direito ao constrangedor fundo falso de estante de livros, Carlos caminha para seu sexto mandato consecutivo gastando menos de R$ 100 mil para se eleger.

Mas entrará na sala 905 do Palácio Pedro Ernesto mais preocupado do que nos mandatos anteriores em razão do andamento das investigações que recaem sobre ele e os funcionários de seu gabinete.

Em alta!

Gostou? Compartilhe!

Share on facebook
No Facebook
Share on twitter
No Twitter
Share on linkedin
No Linkdin
Share on pinterest
No Pinterest